A 1 de Setembro de 2017 completa-se um ciclo.

Estamos em Fevereiro. Abriu um lugar para professor-investigador em Fisiologia na Universidade de Nice. Decidi concorrer. A probabilidade de conseguir o lugar era mínima. Mas quem não arrisca não petisca – já repararam que temos ditados populares para tudo! 

30 de Março, data limite para submeter candidatura. CV científico e pedagógico. Projecto científico e pedagógico. Anexos comprovativos. 

Em meados de Abril recebo a notícia: shortlisted para audição oral. De 56 candidaturas foram selecionados 6 candidatos para se apresentarem a prova oral dia 12 de Maio.

12 de Maio. O dia em que o Papa esteve em Fátima. 

A prova consiste em 10 min de apresentação para apresentação do CV e dos projectos científico e pedagógico perante um júri de 12 pessoas. Constituído por igual número de investigadores e de professores – investigadores. Igual número de mulheres e homens. Igual número de membros da Universidade de Nice e de outras Universidades de França. E um Presidente. Após os 10 minutos sucedem-se 15 minutos de questões do júri. Segue-se a Prova de aptidão pedagógica. No momento é entregue uma folha onde se indica um tema, um público e a duração da aula. Somos dirigidos a uma sala de informática. 3h30 para construir o plano de curso com conteúdo, competências a desenvolver e estratégias pedagógicas. E ainda aula TD ou TP associada a esta aula teórica. Além disso, produzir o diaporama (power point) associado à aula. Segue-se 15 min de apresentação e defesa de material produzido e 10 min de questões do júri. Tudo em Francês.

Dos 6 candidatos eu era a única estrangeira. Eu não conhecia ninguém do júri. Apenas o Presidente que trabalha no meu instituto e apenas na formalidade do Bonjour. Havia uma candidata que está há 2 anos nesta equipa pedagógica. Existia uma candidata que está nos Estados Unidos e que pretende regressar a França. Em suma. Todos os candidatos eram excelentes.

Eu sabia que a probabilidade de ganhar era ínfima. E sabia que a única forma de conseguir seria de correr o risco de apresentar qualquer coisa de muito diferente. Uma nova visão do ensino na Universidade. Uma nova visão do professor. Muni-me de toda a minha experiência de ensino. E estudei todas as cadeiras de Fisiologia. E estudei estratégias de outras universidades do mundo. E apoderei-me das fraquezas do sistema clássico das aulas expositivos. E debato-me até à minha última gota de energia para argumentar a minha estratégia.

Foram as 5h mais exigentes da minha carreira. Saí da sala de audições sem energia para saber onde estava. As lágrimas escorriam-me pela cara. Caminhei sem rumo. Não tinha energia nem para falar. Começaram os primeiros telefonemas. Eu não sabia se tinha corrido bem ou não. Só sabia que tinha lançado uma bomba na sala à qual ninguém foi indiferente. Uns adoraram, outros detestaram. E eu debati-me com os que não gostaram até ao fim.

Liguei à Beatriz. Disse-lhe que não tinha conseguido. Ela disse-me “mamã tenho a certeza que foste a melhor”. Respondi que não. Ela disse “espera para ver os resultados.

Às 20h recebo a notícia. Fui classificada em primeiro lugar.

C’est enorme!!!! Se há coisa que aprendi é que por muito grande que pareça o desafio é preciso acreditar. E é preciso lutar pelas nossas convicções. São elas juntamente com as nossas fraquezas que nos tornam pessoas singulares e que marcam a diferença.

A 1 de Setembro início funções. 

Há muitos artigos a passar nos media nacionais que questionam porque é que os outros países gostam dos portugueses qualificados. O triste é não questionarem o contrário. Porque é que Portugal não se pauta pelo mérito. Se este concurso tivesse sido em Portugal não teria tido o mesmo resultado. Este lugar abriu para uma candidata. Só que eu fui melhor. O júri – IMPARCIAL – assim decidiu!

Próxima etapa: obter dupla nacionalidade!

3 responses to “A 1 de Setembro de 2017 completa-se um ciclo.

  1. Muitos parabéns Paula, pelo novo trabalho e pela lição de vida.
    Não sabia que as provas de selecção eram assim tão exigentes e “imparciais”. Um exemplo a seguir.
    Eu já tenho a dupla nacionalidade (obtida este ano), se precisar de ajuda contacte-me (é um pouco mais complicado para divorciados). Desejo boa sorte e como os franceses dizem “bon courage” para o novo trabalho.

    Gostar

  2. Parabéns!! É um nosso orgulho!! Bom trabalho.

    Gostar

  3. Que bom Paula, fico muito contente. Lembro-me da tua paixão ao falar do ensino. E com isto os Franceses lá te conseguiram ganhar 🙂

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s