“Moment d´un couple” de Nelly Alard.

É pena que Nelly Alard não tenha (ainda) os seus livros (“Le crieur de nuit” – 2010 – e “Moment d´un couple” – 2013 -) traduzidos em português.

O meu critério para escolher os livros de autores franceses, é mais ou menos o mesmo que aplico à escolha dos vinhos. Escolho livros premiados. “Moment d´un couple” apresentou-se de capa sugestiva, titulo comum e com a indicação “Prix Interallité 2013”. Livro escolhido. Sem arrependimento. Vou tentar fazer a tradução de algumas passagens, para que possam compreender por que motivo o li num trago.

O romance tem como cenário a cidade de Paris, no ano de 2003. Um casal de trinta e muitos anos. Dois filhos pequenos. Ela engenheira. Ele jornalista.

O livro começa com Olivier, o marido, que telefona a Juliette, sua esposa. É feriado. Ela está com os filhos num parque de Paris.

“Onde estás? – No Buttes – Estás sozinha? – Não, estou com a Flo e com os miúdos. – Podes distanciar-te um pouco, tenho uma coisa para te dizer.

O sorriso de Joliette desapareceu. Faz um sinal a Flo, levanta-se e volta a sentar-se na relva, a dez metros de distância. Do outro lado da linha Olivier parece aflito.

O que é que se passa? pergunta-lhe ela. Antes de ouvir a sua resposta, ela sente uma bola no estômago. A ideia de que Maria estivesse morta.

Bem. Tenho uma estória com uma mulher. É uma eleitora socialista. Dura há três semanas e agora ela quer que eu te deixe. É por isso que te estou a ligar. Disse-lhe que hoje ía ao cinema contigo e ela começou a ter uma crise de epilépsia. Atirou com o telefone ao chão, grita… eu não sei o que é que ela tem, nem sei o que fazer. Tenho de estar com ela. Não posso ir ao cinema. Compreendes?”

A partir daqui o livro é uma verdadeira viagem de nervos. Entre os personagens. Mas também entre o leitor e os personagens.  Dei comigo incapaz de compreender Juliette… e capaz de espancar Olivier. E uma “outra”, a V, caprichosa, irritante… como todas as “outras” que não têm nada a perder…

O drama continua…

“Como é que está a epiléptica? pergunta-lhe ela.

Olivier muda de expressão. -Não tem piada! É mesmo trágico!

– Ah, diz ela.

– Afinal ela é mesmo doente. Eu não sabia. Acabei de saber. Um dos seus amigos apareceu e contou-me.

-Pára. Estou-me nas tintas para ela. Só quero saber duas coisas: Um, queres deixar-nos? A mim e aos miúdos? 

-Não. Responde-lhe ele, rapidamente. -Não é isso que eu quero.

Ela não tenta disfarçar o seu alívio. Continua. -Bom, dois. Estás apaixonado por ela?

Ele hesita. Diz qualquer coisa que não é sim, nem não. Mas que termina por: É forte, sim.

– Merda, merda, merda! Suspira Juliette.”

Juliette que de início não quer saber nada, mas que depois quer saber tudo. Olivier que se faz de vítima. Incapaz de decidir o que quer. Incapaz de sair com a mesma incapacidade de ficar. V. que faz da vida dos dois um verdadeiro inferno.

“-Tu querias continuar esta estória e ao mesmo tempo ficar comigo? Não estou a dizer que sou capaz de o aceitar e à primeira vista parece que ela também não. mas se fosse possível. É isso que no fundo tu gostarias que acontecesse?

-Não. Antes, quando tu não sabias, sem dúvida que sim. Mas agora não!”

 

V procura o confronto. Uma noite encontram-se os três. Na casa dos dois.

– Há três semanas que adoptei a estratégia de sacos de areia mas não resulta. Terminar não é possível. Não faz sentido. As palavras têm um significado, querem dizer alguma coisa.

– Eu nunca te disse que queria deixar a minha mulher. Responde Olivier.

– Não. Não estamos a falar dela. Nós nunca falamos dela. Mas tu lembras-te quando nós falamos do que era ter uma aventura, que tu me disseste que entre nós não era apenas uma aventura?

– Talvez. Pode ser que eu tenha dito. É possível.

– E as últimas vezes que nos encontrámos. Tu tinhas ar contente.

– Sim.

Juliette fuma. 

– Então porquê? Pergunta-lhe V.

– Porque… responde Olivier.

– Porque o quê?

– Porque eu não me quero divorciar.

– E porque é que tu não te queres divorciar? insiste ela.

– Porque eu não quero esta tristeza. Porque quando acordo de manhã e olho para a Juliette não sinto desagrado como eu acho que devemos sentir quando queremos deixar alguém.

– Ainda me amas?

– Acabou.

O livro não tem propriamente um fim. Como na vida só há fim na morte… Há, no entanto, duas passagens que me apaziguaram com os personagens. Que me fizeram sentir que mesmo sendo diferente, todos os sentires são pertinentes.

Ele lançou-se nesta aventura com Vitória convencido de que falaria com a sua mulher e que ela o perdoaria. Como é que essa certeza poderia existir com a impressão de que Juliette o já não amava. Isso ele não sabia. Mas uma noite, ao entrar em casa, pouco tempo depois de lhe ter contado a sua aventura, Juliette olhou para ele sem dizer nada. Nos seus olhos ele viu duas coisas: a primeira, que Juliette o continuava a amar. E a segunda, que ela poderia deixar de o amar se ele a continuasse a trair. E sentiu-se morrer quando teve este pensamento. Desde esse dia a sua decisão estava tomada. Tudo o resto foi uma infelicidade. Uma tentativa desastrosa de sair desta história sem fazer muito mal a Vitória. Neste momento a única coisa que o preocupava era: não perder Juliette. Sem ela e sem os seus filhos. Sem a família. Ele não teria absolutamente nada.

Juliette saiu para a rua do Château-des-Rentiers perturbada. Durante os últimos meses ela tinha tido este sentimento inúmeras vezes.Ninguém compreendia a sua reacção à traição de Olivier, às suas mentiras, às agressões de V. O seu comportamento era incompreensível. Ela sentia-se humilhada pela compaixão dos outros. Sentiu as lágrimas humedecerem-lhe os olhos e, simultaneamente, a revolta a invadi-la. Porque as pessoas têm uma ideia muito precisa de como uma mulher traída se deve comportar, do que pode ou não pode suportar, do que ela pode ou não pode aceitar, e o consenso era, em nome da dignidade das mulheres, em nome da sua integridade, que ela tem o dever se mostrar intransigente, que deve preferir a solidão gloriosa a um amor imperfeito. Juliette , ela, lutou pelo seu direito ao seu amor imperfeito, ao seu amor conjugal, ao seu amor de merda como um dia disse V. Mesmo sabendo que na escala dos amores o seu se situava em baixo, mesmo em baixo, quase rente ao chão.”

IMG_5254

 

4 responses to ““Moment d´un couple” de Nelly Alard.

  1. Parece-me um triângulo amoroso clássico e que seria baseado na experiência da autora. Ela ganhou um prémio pela sua capacidade literária, mas fica a eterna questão : se não a fosse « repressão educacional » de cariz judaico-cristã, seria possível um homem ou uma mulher amarem 2, 3 ou 4 pessoas ao mesmo tempo ?
    Curiosa é a interpretação dos muçulmanos do Magrebe sobre o que diz o Alcorão. Podes casar com 2, 3, ou 4 mulheres. Mais adiante diz: deves aplicar a equidade de tratamento para com todas as esposas. Os homens lêem a 1° parte e tentam aplicar a 2° se puderem (economicamente).
    As mulheres não vão na conversa, dizem que Deus colocou uma equação que os homens não poderão cumprir, ou seja, é possível aplicar a equidade aos bens materiais, mas jamais aos sentimentos, assim sendo, Deus pretendeu dizer que os homens não conseguiriam aplicá-la.
    Nota: o mundo muçulmano é vasto e nem todos interpretam o Alcorão da mesma maneira. As leis diferem de país para país. Uma coisa é a Arábia Saudita, outra é o Irão, a Índia, o Magrebe, etc. Na Argélia, por exemplo, é permitido casar com 2 mulheres, com a condição, que a primeira aceite e assine. Até hoje, vi apenas 2 casos com 2 mulheres legais.

    Gostar

    • Resta saber Jorge, se existe no mundo a condição de uma mulher se casar com vários homens :)! A monogamia é contra-natura dizem uns. A poligamia é promiscua dizem outros. E não serão os tripletos, como este no texto, um produto da excitação inerente à proibição? Os defensores do swing justificam-no com base na verdade na relação. Mas uma e outra coisa não são, na minha opinião, resultado da mesma necessidade/motivação.

      Gostar

  2. Até os muçulmanos consideram a poligamia promíscua quando ela é ilegal e por isso arranjaram maneira de a legalizar. Acho interessante, essa da 1° mulher ter que aceitar e assinar, pois sendo legal e passando a existir consentimento entre as partes, deve aliviar imenso as tensões.
    A condição de uma mulher se casar/ligar legalmente com vários homens também existia, em várias partes do planeta, sobretudo em África. Foram os católicos e os muçulmanos que acabaram com isso ao imporem as leis religiosas.
    No deserto do Sahara a sul de Marrocos, Argélia, Tunísia e da Líbia, assim como no norte da Mauritânia, Mali e do Níger, existem os Tuaregues que são um povo nómada (sem fronteiras) e cuja sociedade é matriarcal. O seu território foi retalhado pelos franceses (colonos) e hoje estão dispersos por estes países. Foram convertidos ao Islão há cerca de 1300 anos. No entanto, ainda mantém alguns costumes matriarcais, pois são as mulheres que escolhem os maridos, enquanto eles se esforçam por agradar durante as danças. Outro aspecto actual e interessante sobretudo do ponto de vista humano, é que as mães solteiras são acolhidas pelas suas mães (família) e jamais rejeitadas, como por exemplo no Islão/Cristianismo (por ser pecado).
    Mas existem mais casos noutras paragens. Uma vez vi um documentário sobre uma aldeia chinesa em que as mulheres é que escolhiam quem ia dormir com elas e variavam de homem a seu belo prazer. Os filhos, frutos dessas ligações, eram considerados filhos de todos! Parece que funciona desde há séculos!

    Gostar

  3. Pingback: Agnès Martin-Lugand. As minhas últimas viagens. Na forma de livro. | agora digo eu

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s