O imposto às bicicletas, ao sal e ao açucar…

Há coisas que me escapam! Deve ser porque passo grande parte do meu tempo num dos planetas d´”O Principezinho” ou porque não tenho o QI necessário para compreender as medidas (ditas) políticas do estado português.

Temos o imposto de circulação de velocípedes determinada pela Lei nº72/2013 que é, quanto a mim, uma medida estúpida e despropositada, já que o estado deveria incentivar a utilização de bicicletas – com benefícios para o ambiente e para a saúde. Mas não. Em Portugal paga-se imposto!

Temos imposto sobre o sal e açúcar – por serem nocivos para a saúde! Mas se o imposto for para refrigerantes ou bebidas alcoólicas já não pode ser! Os interesses económicos! A receita que se perde por redução do consumo é superior à receita que se ganha por imposição do imposto! Agora já não importa a saúde das pessoas – interessa a carteira dos grupos produtores de álcool e refrigerantes – Só me dá vontade de os mandar todos à M**dinha!

Cereja no topo do bolo! Em Portugal – recorde-se país pobre, endividado, com gente desempregada e a passar fome. Esse! Sorteiam-se carros topo de gama! Ora recapitulemos! É que sabem eu sou tão burrinha que preciso de recapitular muitas vezes. Para ver se compreendo. Portugal não tem produção de automóveis. Isso significa que o prémio de um concurso de princípios vergonhosos, é uma despesa do estado que enriquece países como a Alemanha – deve ser lá que os tais topo de gama são produzidos -. E o Manel dos cêntimos, vai ficar todo contente, ganha 425€ mas tem um carrão à porta – pediu a fatura de 0,12€ quando comprou a carcaça na padaria da esquina. A custo aceitaria que existisse um concurso desta natureza, mas apenas e só se o prémio fossem benefícios fiscais, NUNCA prémios materiais que mais uma vez aliciam o viver de aparências! Acho feio, vergonhoso e humilhante. (já para não falar na base de dados que esta medida permite – o estado tem acesso aos hábitos de consumo por contribuinte – deve valer uns bons milhões para algumas empresas)!

E Portugal é (também) ISTO!

 

3 responses to “O imposto às bicicletas, ao sal e ao açucar…

  1. “Para os pobres, é dura lex, sed lex. A lei é dura, mas é a lei. Para os ricos, é dura lex, sed latex. A lei é dura, mas estica” Fernando Sabino

    Gostar

  2. Muito bem, gostei.
    Mas primeiro convenceu-se 80% das pessoas, que deviam proibir isto e aquilo e taxar aquilo e aqueloutro, porque faz mal, porque…enfim !
    Conclusao: nao podemos nem devemos levar os nossos governantes a sério !
    Eu, sendo fumador, pergunto, a que proposito é que “eles” se preocupariam com a minha saude?
    Que interesse podem “eles” ter, em que eu viva mais 10 ou 15 anos? (nem que seja de cadeirinha de rodas…)
    Nao sendo intençao deles pagarem boas reformas, antes pelo contrario, so vejo mesmo um interesse quando pergunto a mim mesmo : quem lucra com a velhice? Quem fabrica e vende medicamentos, esta é a resposta.
    Claro que, os medicamentos dos velhotes nao têm nada a ver com droga, isso é mera confusao da minha cabeça !

    Gostar

  3. A imbecilidade dos decisores deste país provoca náuseas, vómitos e roça a demência. Não consigo ouvi-los. Votar é impossível porque em imbecis e dementes, não voto.
    Acresce a corrupção que acompanha a imbecilidade e que todos conhecem. Desta só tem um preso. Talvez sejam dois. O segundo porque à corrupção somou o assassinato de uma mulher rica.
    A todo estes crimes, prefiro os da série MidSommer Murders. Sempre tem a elegância apurada da sociedade rural inglesa e das suas intrigas.

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s